Seja bem-vindo. Hoje é

domingo, 25 de janeiro de 2009

Não Aprendi a Voar



No silêncio das pedras de um riacho,
rabisco estes sonetos sem sentido,
e as letras nas encostas do penhasco
são lascas dos meus versos distraídos.

Cascalhos que colhi nas águas rasas
do leito assoreado de um cometa:
não aprendi a voar, não me dei asas,
voar, voei!... Loucuras de poeta.

Voei de braços dados com estrelas,
ao som do mar e ao sol de sal e areia,
num vai e vem de luas e aquarelas.

Hoje descanso os passos na palavra,
à sombra da poesia e, volta e meia,
acordo olhando a terra pendurada.

© Nathan de Castro
Postar um comentário

domingo, 25 de janeiro de 2009

Não Aprendi a Voar



No silêncio das pedras de um riacho,
rabisco estes sonetos sem sentido,
e as letras nas encostas do penhasco
são lascas dos meus versos distraídos.

Cascalhos que colhi nas águas rasas
do leito assoreado de um cometa:
não aprendi a voar, não me dei asas,
voar, voei!... Loucuras de poeta.

Voei de braços dados com estrelas,
ao som do mar e ao sol de sal e areia,
num vai e vem de luas e aquarelas.

Hoje descanso os passos na palavra,
à sombra da poesia e, volta e meia,
acordo olhando a terra pendurada.

© Nathan de Castro
Postar um comentário