Seja bem-vindo. Hoje é

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

'Antídotos'



Desejo um antídoto louco para esta saudade
e um amor inda mais louco para minha vontade
que vê no teu amor ausência de verdade
e fartura de medo.

Teus passos parecem não ter pressa
e, em vez de virem, vão isolados
como se cantassem inglórios a perda do caminho.

Esvaem-se no trago triste que sorri,
tecendo lágrimas, vomitando no teu pranto.
Tudo é igual e diferente,
parece que desamamos em um mesmo amor pungente
ferido a ferro e fogo e a perecer.

Se qualquer antídoto houver,
toma-o se quiseres e segue.
Teu pranto é a outra dor perversa
que meus olhos têm pressa de acabar.


Paulino Vergetti Neto
Publicado no Recanto das Letras em 13/01/2009
Código do Texto:1382091
Postar um comentário

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

'Antídotos'



Desejo um antídoto louco para esta saudade
e um amor inda mais louco para minha vontade
que vê no teu amor ausência de verdade
e fartura de medo.

Teus passos parecem não ter pressa
e, em vez de virem, vão isolados
como se cantassem inglórios a perda do caminho.

Esvaem-se no trago triste que sorri,
tecendo lágrimas, vomitando no teu pranto.
Tudo é igual e diferente,
parece que desamamos em um mesmo amor pungente
ferido a ferro e fogo e a perecer.

Se qualquer antídoto houver,
toma-o se quiseres e segue.
Teu pranto é a outra dor perversa
que meus olhos têm pressa de acabar.


Paulino Vergetti Neto
Publicado no Recanto das Letras em 13/01/2009
Código do Texto:1382091
Postar um comentário