Seja bem-vindo. Hoje é

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

‘Canção com harpa dentro’


(Gustav Klimt)


Tenho tanta carga
no olhar sem fronteira,
que já me despeço:
pombo, das roseiras.
Mas ganhei cobiça
quando, amor, sorriste.
Não secaram águas,
nenhum sino ouviu-se.
Grilo, não te cales,
besouros da fala,
chama pelos ares
que a manhã escala.
Cessem como as larvas,
velas, remos, harpas.
Este amor, Amada,
move-me de nadas.
Este amor tão grande
não tem mais palavras.

Carlos Nejar
In ‘Canções’ (2007)
Postar um comentário

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

‘Canção com harpa dentro’


(Gustav Klimt)


Tenho tanta carga
no olhar sem fronteira,
que já me despeço:
pombo, das roseiras.
Mas ganhei cobiça
quando, amor, sorriste.
Não secaram águas,
nenhum sino ouviu-se.
Grilo, não te cales,
besouros da fala,
chama pelos ares
que a manhã escala.
Cessem como as larvas,
velas, remos, harpas.
Este amor, Amada,
move-me de nadas.
Este amor tão grande
não tem mais palavras.

Carlos Nejar
In ‘Canções’ (2007)
Postar um comentário