Seja bem-vindo. Hoje é

sexta-feira, 6 de março de 2009

TRÊS INSTANTES DE PERPLEXIDADE - 2




Há um raio de luz rastejando na soleira,
mas a claridade do luar não entra em minha casa.
Há uma ave noturna pousada em meu telhado,
devasso todos os porões do hotel de minha vida
e não sei de ninguém que ali estivesse pernoitado
por causa de minha esperança desistida...
Onde está o momento do sonho que sustento,
onde fica a tal porta de saída...

... se me procuro atentamente na superfície fria
dos espelhos e não ouço mais os velhos chavões
dos maus conselhos... Cometo atos profanos
de arrebatamento clandestino e assim me espero
e desespero e me pereço e também me desatino
porque nunca aconteço nem com a cumplicidade
do meu eu-menino...

É assim que somos dois:
aquele que de mim aprende
tudo o que de mim ensino...

Julis Calderón
Postar um comentário

sexta-feira, 6 de março de 2009

TRÊS INSTANTES DE PERPLEXIDADE - 2




Há um raio de luz rastejando na soleira,
mas a claridade do luar não entra em minha casa.
Há uma ave noturna pousada em meu telhado,
devasso todos os porões do hotel de minha vida
e não sei de ninguém que ali estivesse pernoitado
por causa de minha esperança desistida...
Onde está o momento do sonho que sustento,
onde fica a tal porta de saída...

... se me procuro atentamente na superfície fria
dos espelhos e não ouço mais os velhos chavões
dos maus conselhos... Cometo atos profanos
de arrebatamento clandestino e assim me espero
e desespero e me pereço e também me desatino
porque nunca aconteço nem com a cumplicidade
do meu eu-menino...

É assim que somos dois:
aquele que de mim aprende
tudo o que de mim ensino...

Julis Calderón
Postar um comentário