Seja bem-vindo. Hoje é

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

XIX


XIX

Onde a morte morre
Onde a morte se fere de si mesma
Onde o corpo se inscreve
nas linhas sinuosas da alegria

Ali meu coração bate
sem falas guaranis
nem pampas latifúndios

Meu coração
não passa de um minifúndio
E minha linguagem
chama-se viver.

Lindolf Bell
In ‘Código das Águas’
Postar um comentário

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

XIX


XIX

Onde a morte morre
Onde a morte se fere de si mesma
Onde o corpo se inscreve
nas linhas sinuosas da alegria

Ali meu coração bate
sem falas guaranis
nem pampas latifúndios

Meu coração
não passa de um minifúndio
E minha linguagem
chama-se viver.

Lindolf Bell
In ‘Código das Águas’
Postar um comentário