Seja bem-vindo. Hoje é

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

III

III

Onde alberguas os sonhos?
Há sinais de tua presença na torre das alturas.
E cordas de ocultas vozes
falam de híbrido bosque
onde tiveste alumbramentos.
Árvore do espanto:
ousastes vir das galerias

do grande parque dos lamentos,
portando atavios
da mais viva das estações:
o amor.

Cresceste de alimentos dados
em altiplanos, aluviões e savanas.
De luas cobertas
e água estelar.
Da carnadura dos tamarindos de folhas largas
e das formas todas
da humanidade acrescida.

Quando aportas em terra familiar
( oh! forma perfeita por existir)
ainda perguntam:
trazes o amanhã?
E depois,
não por partir
mas por teu repartir,
uma grande festa festejam
à qual recorrerás
na mais difícil melancolia.

Lindolf Bell
In ‘Incorporação’ - A Tarefa
Postar um comentário

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

III

III

Onde alberguas os sonhos?
Há sinais de tua presença na torre das alturas.
E cordas de ocultas vozes
falam de híbrido bosque
onde tiveste alumbramentos.
Árvore do espanto:
ousastes vir das galerias

do grande parque dos lamentos,
portando atavios
da mais viva das estações:
o amor.

Cresceste de alimentos dados
em altiplanos, aluviões e savanas.
De luas cobertas
e água estelar.
Da carnadura dos tamarindos de folhas largas
e das formas todas
da humanidade acrescida.

Quando aportas em terra familiar
( oh! forma perfeita por existir)
ainda perguntam:
trazes o amanhã?
E depois,
não por partir
mas por teu repartir,
uma grande festa festejam
à qual recorrerás
na mais difícil melancolia.

Lindolf Bell
In ‘Incorporação’ - A Tarefa
Postar um comentário