Seja bem-vindo. Hoje é

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A primavera



A vida se alastra das flores da relva,
cordeiro resistiu-se só da ramagem,
das flores florente da aragem da selva,
do aroma da jovem história da aragem.

Ausente do sépia da serra do fardo
da nuvem amarga do escuro sonurno,
dos dengos do morno dilúvio do prado,
do azul se perfez do bramido soturno.

O prado arrefece-se silvo da relva,
do hino do grilo, passar nesta tarde,
pastando dos alvos cordeiros da malva.

A vida lastreia neste prado da relva,
cordeiro pascido tão só sem alarde,
do sol que precata do douro da salva.


Eric Ponty
de ' 50 POEMAS ecolhidos pelo autor'
Quatro Estações - A Primavera
- A Primavera regressa - no livro


Visite o blog do autor:
http://ericponty.blogspot.com/
Antologia poética on line.
Postar um comentário

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A primavera



A vida se alastra das flores da relva,
cordeiro resistiu-se só da ramagem,
das flores florente da aragem da selva,
do aroma da jovem história da aragem.

Ausente do sépia da serra do fardo
da nuvem amarga do escuro sonurno,
dos dengos do morno dilúvio do prado,
do azul se perfez do bramido soturno.

O prado arrefece-se silvo da relva,
do hino do grilo, passar nesta tarde,
pastando dos alvos cordeiros da malva.

A vida lastreia neste prado da relva,
cordeiro pascido tão só sem alarde,
do sol que precata do douro da salva.


Eric Ponty
de ' 50 POEMAS ecolhidos pelo autor'
Quatro Estações - A Primavera
- A Primavera regressa - no livro


Visite o blog do autor:
http://ericponty.blogspot.com/
Antologia poética on line.
Postar um comentário