Seja bem-vindo. Hoje é

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

BLIND BORGES



La vasta y vaga y necesaria muerte.
Jorge Luis Borges: Blind Pew


A vasta e vaga morte, esse outro sonho,
não é só outro sonho: é a mais remota
ilha de ouro a que nossa derrota
nos leva, inexorável, sonho a sonho.

Latidos pelos cães, sonho após sonho,
sonhamos. Esta é a vida, a vela, a rota
do homem: sonhar. E em áurea praia ignota
sonha o que sonha o sonhador, que é sonho.

Isto é o que pulsa em nós: o ansiado ouro
— distante e aqui, no coração —, tesouro
cuja procura tece a nossa sorte;

rumo que a alma singra e sagra em ouro
até chegar enfim a esse tesouro
incorruptível que nos sonha a morte.


Ruy Espinheira Filho
In Poesia Reunida e Inéditos (1966-1998)
Editora Record, 2a. ed.
Rio de Janeiro, 1998
Postar um comentário

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

BLIND BORGES



La vasta y vaga y necesaria muerte.
Jorge Luis Borges: Blind Pew


A vasta e vaga morte, esse outro sonho,
não é só outro sonho: é a mais remota
ilha de ouro a que nossa derrota
nos leva, inexorável, sonho a sonho.

Latidos pelos cães, sonho após sonho,
sonhamos. Esta é a vida, a vela, a rota
do homem: sonhar. E em áurea praia ignota
sonha o que sonha o sonhador, que é sonho.

Isto é o que pulsa em nós: o ansiado ouro
— distante e aqui, no coração —, tesouro
cuja procura tece a nossa sorte;

rumo que a alma singra e sagra em ouro
até chegar enfim a esse tesouro
incorruptível que nos sonha a morte.


Ruy Espinheira Filho
In Poesia Reunida e Inéditos (1966-1998)
Editora Record, 2a. ed.
Rio de Janeiro, 1998
Postar um comentário