Seja bem-vindo. Hoje é

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

IV



Não é do sono que nasce
nem de obscuras palavras
mas da luz que me ilumina
os braços, olhos e face.

Nasce de estranhos presságios
submersos nos meus sentidos
esta encantação de pássaros
que voam da minha fala.

Nasce talvez dos meus gestos
de recônditos segredos
e são as minhas secretas
alegrias e meus medos.

São meus transes, meus instantes
que me possuem com a beleza
de extrair corpos e plumas
das tábuas da minha mesa.

São minhas múltiplas horas
de alucinados prazeres
em que me assistem transidos
o anoitecer e as auroras.

Ah dom de inventar-me alado
e voar com os meus vocábulos
sem espaços que limitem
meus pés no chão repousados.


Foed Castro Chamma
De Narceja - antologia de poesia. São Paulo, 1959
(Paraná- 1927- Rio de Janeiro 2010)
Postar um comentário

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

IV



Não é do sono que nasce
nem de obscuras palavras
mas da luz que me ilumina
os braços, olhos e face.

Nasce de estranhos presságios
submersos nos meus sentidos
esta encantação de pássaros
que voam da minha fala.

Nasce talvez dos meus gestos
de recônditos segredos
e são as minhas secretas
alegrias e meus medos.

São meus transes, meus instantes
que me possuem com a beleza
de extrair corpos e plumas
das tábuas da minha mesa.

São minhas múltiplas horas
de alucinados prazeres
em que me assistem transidos
o anoitecer e as auroras.

Ah dom de inventar-me alado
e voar com os meus vocábulos
sem espaços que limitem
meus pés no chão repousados.


Foed Castro Chamma
De Narceja - antologia de poesia. São Paulo, 1959
(Paraná- 1927- Rio de Janeiro 2010)
Postar um comentário