Seja bem-vindo. Hoje é

sábado, 15 de maio de 2010

'Flores Noturnas'


Na eterna paz das noites silenciosas
E por onde estrelas glaciais florescem,
Pelas excelsas aras luminosas
Dos céus azuis, brancas neblinas descem.


Cristalinas hosanas langorosas
Na boca dos arcanjos desfalecem.
E num concerto de harpas misteriosas
Lótus de amor pela amplidão fenecem.


Todo o paul da terra se perfuma
E desabrocha no éter e na bruma
A gestação das flores imortais.


E, do mar das angústias e das ânsias,
As nossas almas bóiam nas distâncias
Das remotas paragens siderais.


Gonçalo Jácome
(Pernambuco, 1875-1943)
in “Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro”
Postar um comentário

sábado, 15 de maio de 2010

'Flores Noturnas'


Na eterna paz das noites silenciosas
E por onde estrelas glaciais florescem,
Pelas excelsas aras luminosas
Dos céus azuis, brancas neblinas descem.


Cristalinas hosanas langorosas
Na boca dos arcanjos desfalecem.
E num concerto de harpas misteriosas
Lótus de amor pela amplidão fenecem.


Todo o paul da terra se perfuma
E desabrocha no éter e na bruma
A gestação das flores imortais.


E, do mar das angústias e das ânsias,
As nossas almas bóiam nas distâncias
Das remotas paragens siderais.


Gonçalo Jácome
(Pernambuco, 1875-1943)
in “Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro”
Postar um comentário