Seja bem-vindo. Hoje é

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Quando eu passar a porta escura



Quando eu passar a porta escura
e minha ausência deixar saudade
quando sentires minha falta tanta,
e for tamanha a dor que sintas,
abre meu livro em qualquer hora,
e então me leias e me devora.

Vais descobrir minhas lembranças,
de meus amores tempo afora,
das muitas coisas que fui e fiz,
de tantas outras que quis outrora.

Frases de mim, do que fui e sou,
coisas de ti, entre palavras,
falo de amores, falo de mágoas,
falo de tudo porque passei,
porque pequei, porque paguei.

Relembro encontros que me ensinaram,
muitos alguéns que já não importam
Mostro a minha vida que vivo agora,
mais feliz por me entender
e atender meus desejos todos,
alguns tão tolos,outros nem tantos,
mas sempre puros.
Quando eu passar a porta escura,
lembra de mim assim.

Luiz Alberto dos Santos Monjeló

(Queríamos deixar registrada as nossas desculpas ao poeta Monjeló, porque anteriormente, postamos esse poema como sendo de Aníbal Beça. Corrigimos e novamente pedimos mil desculpas.)
Postar um comentário

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Quando eu passar a porta escura



Quando eu passar a porta escura
e minha ausência deixar saudade
quando sentires minha falta tanta,
e for tamanha a dor que sintas,
abre meu livro em qualquer hora,
e então me leias e me devora.

Vais descobrir minhas lembranças,
de meus amores tempo afora,
das muitas coisas que fui e fiz,
de tantas outras que quis outrora.

Frases de mim, do que fui e sou,
coisas de ti, entre palavras,
falo de amores, falo de mágoas,
falo de tudo porque passei,
porque pequei, porque paguei.

Relembro encontros que me ensinaram,
muitos alguéns que já não importam
Mostro a minha vida que vivo agora,
mais feliz por me entender
e atender meus desejos todos,
alguns tão tolos,outros nem tantos,
mas sempre puros.
Quando eu passar a porta escura,
lembra de mim assim.

Luiz Alberto dos Santos Monjeló

(Queríamos deixar registrada as nossas desculpas ao poeta Monjeló, porque anteriormente, postamos esse poema como sendo de Aníbal Beça. Corrigimos e novamente pedimos mil desculpas.)
Postar um comentário