Seja bem-vindo. Hoje é

domingo, 11 de abril de 2010

O SANGUE DAS HORAS


Queixei-me de não ter pão
e a noite me disse não.
Mostrei-lhe a varanda nua
e a Noite me trouxe a lua. . .
Você tem sede, não é?
E a Noite me deu café.


São verdes como a esperança
as horas em que sou triste:
bem que existe não se alcança,
só cansa;
procuro o que não existe.


Se a duvida me procura,
pondo a cerração do tédio
em minha existência obscura,
bebo a esperança, remédio
para as feridas sem cura. . .


Que dúbio alvor de camélia
anda lá fora a flutuar?
É a Noite que, de tão velha,
tão velha,
criou cabelos de luar. . .


A insônia do meu relógio
durante a noite passada
crivou-me o corpo, já enfermo,
de punhaladas sonoras. . .
Meus olhos são duas feridas
por onde
escorre o sangue das horas.


Entre o passado e o porvir
aqueles peixes de prata
não me deixaram dormir.
Tomei café sem parar.
Bebi treva em goles mudos. . .
Criei cabelos de luar.


Cassiano Ricardo
In: Antologia Poética
Postar um comentário

domingo, 11 de abril de 2010

O SANGUE DAS HORAS


Queixei-me de não ter pão
e a noite me disse não.
Mostrei-lhe a varanda nua
e a Noite me trouxe a lua. . .
Você tem sede, não é?
E a Noite me deu café.


São verdes como a esperança
as horas em que sou triste:
bem que existe não se alcança,
só cansa;
procuro o que não existe.


Se a duvida me procura,
pondo a cerração do tédio
em minha existência obscura,
bebo a esperança, remédio
para as feridas sem cura. . .


Que dúbio alvor de camélia
anda lá fora a flutuar?
É a Noite que, de tão velha,
tão velha,
criou cabelos de luar. . .


A insônia do meu relógio
durante a noite passada
crivou-me o corpo, já enfermo,
de punhaladas sonoras. . .
Meus olhos são duas feridas
por onde
escorre o sangue das horas.


Entre o passado e o porvir
aqueles peixes de prata
não me deixaram dormir.
Tomei café sem parar.
Bebi treva em goles mudos. . .
Criei cabelos de luar.


Cassiano Ricardo
In: Antologia Poética
Postar um comentário