Seja bem-vindo. Hoje é

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

''2''


A flor abriu nos caminhos do abismo.

Mãos desfeitas colheram-na
nos caminhos do abismo,
e as pétalas inocentes não murcharam.

A flor azul abriu no deserto silente.

Mãos crispadas colheram-na
no deserto silente
e as pétalas virginais não se crestaram.

A flor azul abriu no píncaro alto e puro.

Mãos sagradas colheram-na
no píncaro alto e puro,
e as pétalas miraculosas não tombaram.

E nos caminhos tristes,
no deserto,
no píncaro,

os Poetas cantaram. . .


Tasso da Silveira
In: Puro Canto
Postar um comentário

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

''2''


A flor abriu nos caminhos do abismo.

Mãos desfeitas colheram-na
nos caminhos do abismo,
e as pétalas inocentes não murcharam.

A flor azul abriu no deserto silente.

Mãos crispadas colheram-na
no deserto silente
e as pétalas virginais não se crestaram.

A flor azul abriu no píncaro alto e puro.

Mãos sagradas colheram-na
no píncaro alto e puro,
e as pétalas miraculosas não tombaram.

E nos caminhos tristes,
no deserto,
no píncaro,

os Poetas cantaram. . .


Tasso da Silveira
In: Puro Canto
Postar um comentário