Seja bem-vindo. Hoje é

segunda-feira, 23 de maio de 2011

FUGA


Desfez-se da inquietação,
abandonou a luta
e caminhou vagarosamente
para a aceitação...

A realidade do dia-a-dia
sempre foi para ele
desespero e agonia.

Cansado, deitou-se na relva,
olhou para o céu, bebeu azul e paz,
aspirou os aromas silvestres
depois fechou os olhos
e deixou a alma sonhar...

A bela alma foi brincar
no recanto mágico de seus desejos,
lá, onde há luz, música e beijos,
onde ninguém tem motivos para chorar...

Adormeceu sorrindo
ouvindo a flauta do vento
no arvoredo que dançava ali, ao lado...
E, sonhando dormindo
o mesmo sonho que sonhara acordado.


Zoraida H. Guimarães
in Na Passarela do Tempo
Postar um comentário

segunda-feira, 23 de maio de 2011

FUGA


Desfez-se da inquietação,
abandonou a luta
e caminhou vagarosamente
para a aceitação...

A realidade do dia-a-dia
sempre foi para ele
desespero e agonia.

Cansado, deitou-se na relva,
olhou para o céu, bebeu azul e paz,
aspirou os aromas silvestres
depois fechou os olhos
e deixou a alma sonhar...

A bela alma foi brincar
no recanto mágico de seus desejos,
lá, onde há luz, música e beijos,
onde ninguém tem motivos para chorar...

Adormeceu sorrindo
ouvindo a flauta do vento
no arvoredo que dançava ali, ao lado...
E, sonhando dormindo
o mesmo sonho que sonhara acordado.


Zoraida H. Guimarães
in Na Passarela do Tempo
Postar um comentário