Seja bem-vindo. Hoje é

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Os ventos


Não há, nos ventos,
a liberdade da morte,
embora sejam implacáveis e
jamais perdoem as folhas secas.

Todos os ventos têm nome
mas não se conhece nenhum
de perto, embora
se agarrem a você
e desorganizem a harmonia.

Os ventos não têm forma
mas sabemos todas as suas aspirações
e os seus amores com o mar e as árvores.

Os ventos não têm a liberdade da morte
diluídos na essência
do que nunca aconteceu.

Ashford Castle, Irlanda, julho 92



Álvaro Pacheco
In Geometria dos Ventos (1992)
Postar um comentário

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Os ventos


Não há, nos ventos,
a liberdade da morte,
embora sejam implacáveis e
jamais perdoem as folhas secas.

Todos os ventos têm nome
mas não se conhece nenhum
de perto, embora
se agarrem a você
e desorganizem a harmonia.

Os ventos não têm forma
mas sabemos todas as suas aspirações
e os seus amores com o mar e as árvores.

Os ventos não têm a liberdade da morte
diluídos na essência
do que nunca aconteceu.

Ashford Castle, Irlanda, julho 92



Álvaro Pacheco
In Geometria dos Ventos (1992)
Postar um comentário